Casa do Patrimônio Vale do Ribeira faz parte do Conselho Municipal de Turismo de Iguape

comtur

A Casa do Patrimônio Vale do Ribeira , uma iniciativa da Superintendência do IPHAN em São Paulo em conjunto com a Prefeitura de Iguape vem promovendo atividades de educação patrimonial e participando ininterruptamente desde 2010 do cenário cultural , histórico e ambiental da cidade.

Na primeira reunião ordinária do Comtur (Conselho Municipal de Turismo) de Iguape , mais uma vez a Casa do Patrimônio foi nomeada para fazer parte do Conselho na gestão 2017/2018.

A missão do Conselho é consolidar parcerias e proporcionar, através de suas ações, o envolvimento e o comprometimento dos mais variados setores sócio-econômicos do município no fomento da atividade turística , sendo uma uma instância de planejamento participativo nas gestões locais,  constituído como um fórum deliberativo no tema .

Gente que vem… fandangueiros

IMG_6424

IMG_6423

Participantes da Reunião de Salvaguarda do Fandango Caiçara , ocorrida na Casa do Patrimônio Vale do Ribeira em Iguape/SP.  A Casa do Patrimônio Vale do Ribeira é uma iniciativa da Superintendência do IPHAN em São Paulo em conjunto com a Prefeitura de Iguape.  Nasceu de um desejo em comum: aproximar o trabalho de proteção do patrimônio cultural daqueles que são seus primeiros interessados, as populações locais. Compartilhamos a idéia de que o patrimônio é uma construção social que deve refletir a forma como as comunidades enxergam e concebem a sua própria história.

Clique nas fotos para ampliar.

Iguape : Prédio do Correio Velho em 2 tempos

correio-velho-2006

Correio Velho em 2006

correio-velho-tempo-2

Correio Velho em 2015

Situado na praça Praça Engenheiro Greenhalgh s/nº, é um prédio importantíssimo para a história de Iguape/SP que está, com seu restauro,  ganhando um visual belíssimo e um interior modernizado, fruto de convênio entre Iphan e Prefeitura de Iguape.

Detalhe da restauração do Correio Velho em Iguape/SP

detalhe correio velho

O prédio do Correio Velho, situado em Iguape/SP, está sendo restaurado e prevê acessibilidade, por meio de elevadores, climatização para receber e manter documentos, além de cinemateca, biblioteca, área para palestras, cursos, entre outros para fomento da cultura e preservação do patrimônio.

A restauração é o resultado do Convênio Nº 64740/2011, celebrado entre o Iphan e a Prefeitura de Iguape.

A licitação para a  restauração teve como vencedora a empresa Companhia de Restauro , com o valor global de R$ 1.866.257,04 .

Construído no século XIX, marco da prosperidade iguapense, o prédio estava  em adiantado estado de deterioração, mas graças ao tombamento alcançado no ano de 2009,  a cidade foi contemplada com investimentos do Governo Federal para a total restauração do prédio trazendo de volta à Praça São Benedito o visual suntuoso das sacadas e telhados do Correio Velho, muito parecido como foi em sua concepção original pelo lado de fora e ainda abrigará importantes acervos em seu interior.

Segundo o site da Prefeitura de Iguape, “o prédio do Correio Velho, construído no antigo Largo de São Francisco, atual Praça São Benedito, foi inaugurado no ano de 1839. Reformado em 1893, foi adquirido pelo coronel Agostinho José Moreira Rollo e posteriormente pertenceu ao comendador João Mâncio da Silva Franco. A partir de 1926, passou a abrigar a agência dos Correios e Telégrafos, que lá permaneceu até 1951. Suas paredes externas são de pedra e cal e as internas eram de taipa francesa. Possuía telhado em duas águas com beiral e sacadas com grades de ferro fundido trabalhado.

Segundo a tradição, nele teriam pernoitado as tropas de Duque de Caxias e Osório, em viagem ao Sul do país, durante a Guerra do Paraguai. O prédio do Correio Velho, apesar de sua importância histórica e arquitetônica, encontrava-se em avançado estado de deterioração, tendo restado de pé somente as fachadas.”

Iphan participa de discussões sobre o Valo Grande, em Iguape/SP

vg10 vg9

O Iphan, através da Casa do Patrimônio Vale do Ribeira foi convidado pelo ICMBio a participar das reuniões em forma de workshop do Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental APA – Cananéia, Iguape e Peruíbe que tratam sobre diversos temas relacionados à proteção ambiental, cultural, arqueológica e histórica da região.

A reunião mais recente aconteceu nesta terça feira (7), na sede da APA-CIP, em Iguape, com a presença de representantes do Instituto Bioma Brasil, Prefeitura de Iguape, Câmara Municipal, Fundação Florestal , Colônia de Pescadores Z7 e representantes de comunidades locais. Antes dos debates o chefe da APA, Márcio Barragana mostrou de forma sucinta a dinâmica dos trabalhos de revisão do Plano de Manejo. A seguir a bióloga Marília Cunha Lignon, do Instituto Bioma Brasil ,apresentou um painel sobre os “Manguezais do Litoral Sul de SP e o Valo Grande”.

Construído entre 1827 a 1855, e projetado para facilitar o transporte de arroz produzido na cidade de Iguape até o porto local, causou alterações ambientais progressivas que se agravaram no passado recente. O canal levou à formação do delta do Valo Grande no interior da laguna costeira. Isso, segundo os pesquisadores, se deu em função do intenso processo de assoreamento causado pela erosão das margens do canal e pelos sedimentos provenientes do rio Ribeira.

Como resultado do alargamento do canal, aproximadamente 60% do fluxo do rio foi transferido para o sistema lagunar, de água salobra, provocando a diminuição drástica da salinidade e seu assoreamento. Ao mesmo tempo, a grande infiltração de água doce reduziu as áreas de mangue, que foram substituídas por vegetação de água doce.

Quando concluído, o Valo Grande tinha 4,4 metros de largura, dois de profundidade e aproximadamente 4 quilômetros de extensão. Ao longo de 150 anos desde a sua abertura, contudo, a força das águas do rio Ribeira aumentou a largura do canal, que hoje chega a quase 300 metros e sete metros de profundidade. As águas desviadas do rio, carregadas de sedimentos lamosos, aos poucos provocaram intenso assoreamento e inviabilizaram o Porto de Iguape, já que as embarcações não mais podem atracar,

Hoje , a questão está judicializada.

O MPE requer que o Estado de São Paulo realize a dragagem do rio Ribeira , no trecho do Ribeira Velho das Três Barras até a foz, na Barra do Ribeira, e  o imediato controle e retirada das vegetações macrófitas que estão expondo a risco de perecimento os manguezais do complexo Estuarino-Lagunar, especialmente o Mar Pequeno, de modo a impedir que este dano ambiental ocorra ou que a degradação agrave-se.

O caso subiu ao Supremo Tribunal Federal, onde , em decisão monocrática o ministro Ricardo Lewandowski ratificou a ação promovida pelo Ministério Público Estadual.

O Valo Grande se situa dentro da área de tombamento do Centro Histórico de Iguape.

Caderno de Obra : Prédio do Correio Velho, em Iguape/SP

Esta série de posts “Caderno de Obra” está mostrando a evolução das obras de restauração do Correio Velho, da Casa de Fundição e futuramente do Paço Municipal e Sobrado dos Toledos, em Iguape.

As fotos acima mostram a situação no canteiro de obras do Correio Velho na data de 2 de junho de 2014, em Iguape/SP.

Construído no século XIX, marco da prosperidade iguapense, o prédio estava  em adiantado estado de deterioração, mas graças ao tombamento alcançado no ano de 2009, agora a cidade é contemplada com investimentos do Governo Federal para a total restauração do prédio trazendo de volta à Praça São Benedito o visual suntuoso das sacadas e telhados do Correio Velho, muito parecido como foi em sua concepção original pelo lado de fora e ainda abrigará importantes acervos em seu interior.

Segundo o site da Prefeitura de Iguape, “o prédio do Correio Velho, construído no antigo Largo de São Francisco, atual Praça São Benedito, foi inaugurado no ano de 1839. Reformado em 1893, foi adquirido pelo coronel Agostinho José Moreira Rollo e posteriormente pertenceu ao comendador João Mâncio da Silva Franco. A partir de 1926, passou a abrigar a agência dos Correios e Telégrafos, que lá permaneceu até 1951. Suas paredes externas são de pedra e cal e as internas eram de taipa francesa. Possuía telhado em duas águas com beiral e sacadas com grades de ferro fundido trabalhado.

Segundo a tradição, nele teriam pernoitado as tropas de Duque de Caxias e Osório, em viagem ao Sul do país, durante a Guerra do Paraguai, ainda que nenhum registro tenha sido encontrado. O prédio do Correio Velho, apesar de sua importância histórica e arquitetônica, encontrava-se em avançado estado de deterioração, tendo restado de pé somente as fachadas.”

Para se ter uma idéia da condição do prédio imponente construído em 1839, símbolo da riqueza paulista na época , o telhado de duas águas desabou e acabou sendo removido.

O novo prédio do Correio Velho está sendo restaurado e prevê acessibilidade, por meio de elevadores, climatização para receber e manter documentos, além de cinemateca, biblioteca, área para palestras, cursos, entre outros para fomento da cultura e preservação do patrimônio.

A restauração é o resultado do Convênio Nº 64740/2011, celebrado entre o Iphan e a Prefeitura de Iguape. A licitação para a  restauração teve como vencedora a empresa Companhia de Restauro , com o valor global de R$ 1.866.257,04 . A previsão de entrega é dia 13 de fevereiro de 2015.

Reunião entre Companhia de Restauro, Prefeitura de Iguape e Iphan ajusta procedimentos para início da restauração do Correio Velho, em Iguape

reuniao-pmi

Uma reunião nesta segunda-feira (10) entre representantes da empresa Companhia de Restauro, da Prefeitura Municipal de Iguape e da Superintendência do Iphan em São Paulo definiu alguns procedimentos técnicos e administrativos que serão adotados na obra de restauro do Correio Velho, situado na Praça São Benedito em Iguape. Esta obra, executada pela Prefeitura Municipal de Iguape com verbas oriundas do IPHAN,  está sendo aguardada com muito interesse por parte da população . O “Correio Velho” é um imponente prédio construído em 1839. Após a sua restauração ele deve abrigar um centro cultural e de memória. O edifício, com paredes externas de pedra e um conjunto de janelas e sacadas, passou por reforma em 1893, ao ser adquirido pelo coronel Agostinho José Moreira Rollo. Pertenceu depois ao comendador João Mâncio da Silva Franco e, a partir de 1926, passou a abrigar a agência dos Correios e Telégrafos até 1951. O telhado de duas águas desabou e foi removido. Segundo a tradição oral, o prédio também abrigou as tropas do General Osório e de Duque de Caxias em viagens ao sul do País, durante a Guerra do Paraguai.

Prefeitura de Iguape publica Edital para restauração do prédio do Correio Velho

correio-velhoA Prefeitura Municipal de Iguape publicou o Edital que trata da Concorrência Pública relativa às obras de restauração e novo uso do edifício do Correio Velho, situado na Praça Engenheiro Greenhalg, s/nº , no Centro Histórico da cidade.

O preço máximo estabelecido para a obra é de R$1.881.382,30 (Um milhão oitocentos e oitenta e um mil trezentos e oitenta e dois reais e trinta centavos) .

O valor é proveniente do Convênio Nº 64740/2011- Iphan e Prefeitura de Iguape.

A abertura dos envelopes será pontualmente às 10:00 hs do dia 8 de novembro de 2013 na Prefeitura Municipal de Iguape, situada à Rua XV de novembro, nº 272, Centro, Iguape/SP.

Veja aqui o Edital Completo em PDF