Ponto de Cultura “Caiçaras” promove o Festival Lagamar – Conexões Afroameríndias Litoral Sul

Entre os dias 19, 20 e 21 de abril acontecerá um rico encontro com os saberes e fazeres das culturas tradicionais dos povos do Lagamar nas cidades de Cananeia e Ilha Comprida, localizadas no *litoral sul* do Estado de São Paulo.

O encontro acontece no Boqueirão Sul da Ilha Comprida e é uma oportunidade única para ser celebrada a sabedoria ancestral dos povos que vivem no maior pedaço de Mata Atlântica do planeta através de roteiros de turismo de experiência e de uma programação artística e cultural composta por atividades gratuitas e pagas, com valores acessíveis a todas as pessoas.

Na parte de gastronomia, haverá opções alternativas de alimentação com empreendedores locais e valores variados e acessíveis a todos os públicos como a Gaia Alimentação: salgados e hambúrgueres veganos, lanche natural vegetariano, doces (haribol e brigadeiro) e sucos naturais da Mata Atlântica e o Restaurante Jura’s: de frente para o mar, som aconchegante, ambiente familiar, cardápio variado com peixes, carnes e frutos do mar, parceiros do encontro.

foto: Ponto de Cultura Caiçaras/Facebook reprodução

TURISMO DE EXPERIÊNCIA

Vivências e roteiros turísticos com um número mínimo de 10 pessoas dependendo do passeio. Transporte não incluso.

foto: Ponto de Cultura Caiçaras/Facebook reprodução

Observação de golfinhos, visita à Aldeia Guarani M’Bya Takuari-ty eSítios Bela Vista e Sabores da Roça (agrofloresta, roças caiçaras, criação de abelhas nativas s/ ferrão, produtos orgânicos, entre outros),Comunidade Quilombola do Mandira ,Comunidade Caiçara do Itacuruça e Pereirinha e às Cachoeiras do Pitu e do Mandira

Programação > Sexta, 19 de abril de 2019
10:00 – 12:00
Turismo de experiência: A conversa dos botos (passeio guiado p/ observação de botos na P. da Trincheira – Ilha Comprida)
12:30 – 14:00
Almoço caiçara no sítio da Família Cardoso
14:00 – 15:00
Roda de abertura: vivência de canto e dança com os Guaranis M’Bya da Tekoa Takuari-ty
14:00 – 18:00
Feira de produtos artesanais e comunitários da Mata Atlântica, que contará com produtos artesanais e/ou orgânicos oriundos de pequenos produtores e da agricultura familiar das cidades de Cananeia e de Ilha Comprida (SP).
15:00 – 17:00
Roda de prosa: Conexões Afroameríndias Litoral Sul – presenças do Mestre Lumumba e do Cacique Wera Poty
18:00
Cinema infantil
19:00 – 21:00
Roda de prosa: Negócios sociais em rede – ações colaborativas para vendas e trocas de produtos e serviços locais
21:00
Lançamento do aplicativo Guia Lagamar, Evento gratuito de lançamento do aplicativo de entretenimento turístico e cultural que pretende conectar pessoas a experiências únicas na região do Lagamar.

Mestre Lumumba/reprodução Facebook

Sábado, 20 de abril de 2019
08:00 – 12:00
Ecoturismo: Cachoeira do Pitu + Turismo de experiência: sítios Bela Vista e Sabores da Roça
12:30
Almoço quilombola no Restaubar – Ostra e Cataia
14:00 – 18:00
Turismo de experiência: Quilombo do Mandira + Ecoturismo: Cachoeira do Mandira
18:00
Cinema infantil
20:00
Música ao vivo, Em encontro na beira do mar entre a essência e a beleza da musicalidade indígena, caiçara e afro-brasileira e em meio aos encantos (e encantados) da Mata Atlântica
Fandango caiçara ,Mestre Lumumba (Reggae com raízes brasileiras e o culto dos orixás) e Nativos da Ilha (forró)
Programação Domingo, 21 de abril de 2019
10:00
Turismo de experiência: Comunidade Caiçara do Itacuruça (Ilha do Cardoso)
12:30
Almoço caiçara
15:00
Roda de despedida – Praia do Itacuruça e Pereirinha

foto : Ponto de Cultura Caiçaras/facebook reprodução

HOSPEDAGEM

Namastê – coworking, hospedagem, galeria de artes e eventos (Namastê Hospedagem, Galeria de Artes & Eventos).

Todas as Informações podem ser obtidas através dos fones e endereços virtuais :
(13) 98102-9918 (whatsapp)
contato@matimperere.com.br
https://www.facebook.com/matimperereturismo/
www.matimperere.com.br

foto: Ponto de Cultura Caiçaras/Facebook reprodução

Iguape/SP , quase 500 anos de história no Vale do Ribeira

foto: B. Bertagna

Oficialmente, Iguape foi fundada em 3 de dezembro de 1538. A data de fundação atual foi estabelecida em 1938, pelo então Prefeito, Manoel Honório Fortes. O Prefeito  incumbiu uma comissão de historiadores paulistas, presidida pelo ilustre Afonso d’Escragnolle Taunay, para estabelecerem a data provável da fundação, sendo aceito o dia 3 de dezembro de 1538, baseados em documentos históricos que usam como referência a data de separação de Iguape e Cananéia.

Igreja de São Benedito foto: B. Bertagna

Praça Engº Greenhalgh, também conhecida como Praça São Benedito, local aprazível onde se encontra a antiga Fonte da cidade. foto: B. Bertagna

É uma simpática cidade, cheia de histórias e causos contados por seus moradores, ideal para se aventurar no seu passado, em passeios românticos por suas ruas estreitas e para conhecer as festividades religiosas e culturais, como a Festa de Agosto, que já são tradição. Iguape conta com uma boa infra-estrutura de hotelaria, pousadas e restaurantes.

Primeira Casa de Fundição de ouro do Brasil, hoje Museu Municipal de Iguape foto: B.Bertagna

Com uma previsão de mais de R$ 10 milhões em investimentos, o Sobrado dos Toledos (orçado em R$ 5.298.773,27) e o Paço Municipal (R$ 5.607.919,470), dois importantes edifícios da cidade de Iguape (SP), começaram a ser restaurados a partir de julho de 2019. As obras pretendem restabelecer a infraestrutura e conservação dos espaços, significativos para a história e arquitetura do município, e estão sendo realizadas com recursos do PAC Cidades Históricas, programa do Governo Federal, e execução do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

prefeitura-iguape

foto: B. Bertagna. Paço Municipal em 2013

O sobrado que abriga o Paço Municipal foi construído na segunda metade do século XIX, pelo comendador Luis Álvares da Silva, homem mais rico e influente da região à época. Posteriormente, o prédio passou a sediar o Club Beneficente e Recreativo Iguapense e a Câmara Municipal, vindo a ser adquirido pela Prefeitura em 1945. Desde então, passou a funcionar como Paço Municipal.

Digitalizar0014

Arquivo Iphan

O Sobrado dos Toledos leva esse nome por ter sido residência de outro cidadão importante da região, José Carlos de Toledo. Construído na primeira metade do século XIX, durante o ciclo do arroz, o prédio foi doado pelos herdeiros, em 1931, ao Santuário de Iguape, para que abrigasse romeiros durante as festividades do Bom Jesus, época em que o edifício ficou conhecido como Sobrado do Santo. Depois disso, o prédio sediou diversos empreendimentos e, atualmente, encontra-se em ruínas, restando ainda as características originais das fachadas.

Os dois edifícios estão localizados na área do conjunto histórico de Iguape, tombada pelo Iphan. As duas intervenções se somam à restauração da Antiga Casa de Fundição, concluída em dezembro de 2015, com recursos de R$ 837 mil, também pelo PAC Cidades Históricas, representando um significativo investimento no Patrimônio Cultural da cidade.

IMG_20160718_123158[1]

foto: B. Bertagna

Vapor_Izabel_no_bairro_Jipovura_início_do_século_XX

Vapor Izabel, no Rio Ribeira de Iguape, na altura do bairro Jipovura, por volta de 1909. Arquivo Iphan/Dossiê Tombamento

A real data da fundação do município é desconhecida. Alguns historiadores chegam a acreditar que já havia europeus vivendo na região mesmo antes do descobrimento do Brasil por Pedro Álvares Cabral.

A tradicional Festa do Bom Jesus de Iguape, a Festa de Agosto, que atrai milhares de romeiros de todos os cantos do Brasil. Foto : Gazeta Caiçara/Rafael Peroni

Procissão de Nª Srª das Neves. padroeira de Iguape. foto; http://www.senhorbomjesusdeiguape.com.br

Remonta a 1577 a data em que o povoado foi elevado à categoria de freguesia, com o nome de Freguesia de Nossa Senhora das Neves da Vila de Iguape, quando foi aberto o primeiro livro do tombo da Igreja de Nossa Senhora das Neves, construída no local conhecido por Vila Velha, no sopé do morro chamado de Outeiro do Bacharel, defronte à Barra do Icapara.

ademar-de-barros

Arquivo Iphan

Não se sabe, ao certo, a data de elevação a vila, porém, acredita-se que tenha sido entre 1600 e 1614.

Altar mor da Basílica foto: B. Bertagna

Neste último ano, foi iniciada a construção da antiga Igreja Matriz, já no local atual, no centro urbano, após a mudança da então freguesia, ordenada pelo fidalgo português Eleodoro Ébano Pereira.

Vista dos imensos telhados e das torres da Igreja São Benedito, uma das mais antigas da cidade. foto: B. Bertagna

A Vila foi elevada a cidade pela Lei nº 17 de 3 de abril de 1848 com o nome de Bom Jesus da Ribeira, mas no ano seguinte, pela Lei nº 03 de 3 de maio de 1849, foi modificado o nome para Bom Jesus de Iguape.
Posteriormente, o costume popular simplificou-o para Iguape.

Hoje Iguape revela surpresas no plano do Patrimônio Imaterial como o tradicional Carnaval de Rua , com vários blocos organizados que circundam a praça da Basílica durante as folias de Momo e ainda preserva o Fandango Caiçara, com suas rabecas, seus bailados e tradições.

rabeca1

Arquivo Iphan

porto

Arquivo Iphan

Fundação: 3 de dezembro de 1538
Gentílico : iguapense
Lema: Virtvtes Pavlistarvm Retento
\\\”Detenho as Virtudes dos Paulistas\\\”

Arquivo Iphan – Giovani Sarkis

foto: B. Bertagna

Arquivo Iphan – Giovani Sarkis

Topônimo
A palavra Iguape tem origem na língua tupi e significa na enseada do rio, através da junção dos termos y(água, rio), kûá (enseada) e pe(em)

Antiga Fábrica da Matarazzo de processamento de peixe. foto: B. Bertagna

Romeiros recebem benção em frente à Basílica. foto: B.Bertagna

Arquivo Iphan – Giovani Sarkis

Arquivo Iphan fotos: Germano / junho de 1950

Imagem de Cristo no morro do Espia. foto: B. Bertagna

Como chegar :

De São Paulo/Santos:

Descer a BR 116, rodovia Régis Bittencourt ou a Padre Manuel da Nóbrega SP-55 e, após a cidade de Miracatu, entrar no Km 401, Rodovia Casemiro Teixeira SP-222 para Iguape, com distância aproximada total de 200 km.

Os ônibus da empresa ValleSul vindos de São Paulo saem do Terminal Barra Funda em 4 horários diários. Partindo de Santos/SP há um ônibus diário.

De Curitiba:

Seguir a BR 116 – Rodovia Régis Bittencourt Norte e, passando pela cidade de Jacupiranga, entrar no Km 464 para Pariquera-Açu/Iguape, na rodovia Ivo Zanella. Total aproximado de 250 km

De Curitiba, os ônibus saem da Estação Rodoferroviária e há um horário diário nos dois sentidos e 2 horários de sexta a segunda, cumpridos pela empresa Princesa dos Campos.

De Sorocaba:

Saindo de Sorocaba ou cidades vizinhas pegar a Rodovia SP-079 (Serra de Tapiraí) até Juquiá. Depois entrar na BR 116 Rodovia Régis Bittencourt Norte sentido São Paulo e, depois de 13 km, pegar a entrada de Iguape no Km 401, na Rodovia Total de 2 00 km.De Sorocaba a Iguape, há um horário regular realizado pela empresa São João

De Registro /SP os ônibus saem praticamente de hora em hora, fazendo conexão para cidades vizinhas como Cananéia, Pariquera-Açu, Jacupiranga, Eldorado, Iporanga, Miracatu, Juquiá,Cajati, Apiaí, etc.

Mar Pequeno visto do Morro do Espia foto : Luciano Faustino/Wikipédia

A cidade fica também a 5 km, por estrada asfaltada,  das praias atlânticas de Ilha Comprida. Além de uma bela paisagem, o Mar Pequeno proporciona ótimas pescarias.

foto: B. Bertagna

IMG_7109

foto: B. Bertagna

MAPA 2 D

Curso de Turismo da ETEC de Iguape visita a Casa do Patrimônio Vale do Ribeira

Nesta segunda-feira, 19/10, os alunos do Curso Técnico de Turismo da ETEC , coordenados pela Profª Cássia Massa visitaram a Casa do Patrimônio Vale do Ribeira, ocasião em que participaram de uma palestra de Educação Patrimonial.

Conhecida na Região do Vale do Ribeira como o “Colégio Agrícola de Iguape“, a ETEC Enhenheiro Agrônomo Narciso de Medeiros exibe beleza natural, integração com o meio ambiente e qualidade de ensino. Instalada em 1971, ofereceu sua única Habilitação Técnica em Agropecuária até 1998. A partir de 1999, foram implantados os cursos Técnicos de Agricultura, Turismo, Meio Ambiente e Florestal.

Em 2003 foi implantado o curso de Hotelaria e recentemente em 2007 foi implantado o curso técnico em Informática, definindo, assim, sua missão de firmar-se como um centro gerador, capacitador e difusor de tecnologias ambientais e formador de técnicos capazes de operacionalizar mudanças no Vale do Ribeira.

Possui uma área de 53 alqueires, rica em recursos naturais, (80% de sua área), inserida na APA CIP (Cananéia, Iguape, Peruíbe) Área de Proteção Ambiental.

Capoeira : Grupo Nosso Senhor do Bomfim realiza Torneio em Cananéia/SP

Este slideshow necessita de JavaScript.

Neste fim de semana, foi realizado o IV Torneio Interno de Capoeira, do Grupo de Capoeira Nosso Senhor do Bomfim com capoeiristas das cidades do Vale do Ribeira ( Cananéia, Iguape, Registro, Cajati,Eldorado e Pariquera-Açu) além de Curitiba e São Paulo. Mais de 100 praticantes abrilhantaram o Torneio que aconteceu no Ginásio Mario Covas, em Cananéia/SP.

O Grupo de Capoeira Nosso Senhor do Bonfim e a Associação Desportiva e Cultural de Capoeira Filhos de Cananéia desenvolvem um trabalho na cidade de Cananéia há mais de 15 anos, onde além de ensinar a arte da Capoeira, incluem em suas aulas: ritmos e danças, entre elas Maculelê, Puxada de Rede, Dança do Coco, Maracatu, Samba de Roda, entre outras divulgando sempre a Cultura Tradicional Brasileira.

Cananéia realiza 4ª Feira de Economia Solidária e Encontro de Arte e Cultura Comunitária

feira-solidaria

Numa iniciativa da Associação Rede Cananéia aconteceu, neste final de semana, nos dias 13 e 14 de dezembro, a 4ª Feira de Economia Solidária e o Encontro de Arte e Cultura Comunitária. Foram realizadas oficinas, apresentações culturais, shows e a exposição e venda de produtos solidários de empreendimentos comunitários locais. O local da feira foi a Praça da Tiduca, tradicional espaço comunitário da cidade. Na programação também teatro, apresentação de vídeos educativos, jogos, oficina de ciranda, pintura facial, fita arco íris e oficina de jogos com material reciclável. O Patrimônio Cultural Imaterial do Vale do Ribeira esteve presente mostrando a sua pujança e tradição. O contato da Rede Cananéia é (13) 3851 1201.

feira

Associação de Capoeira Nosso Senhor do Bonfim Filhos de Cananéia realizará Encontro de Verão

Por Zalber Santos

A proposta do “Encontro de Verão” é reunir professores de capoeira de grupos e regiões diferentes do Brasil para uma troca de vivência, onde cada professor mostra um pouco de sua característica e do seu grupo, em dinâmicas de 30 minutos.
O Encontro se torna um grande aulão, onde os alunos da cidade de Cananéia, a maioria sem condições de viajar e vivenciar a capoeira fora do município, tem a oportunidade de conhecer pessoas, grupos, histórias e movimentos diferentes. O 1° Encontro contou com a presença de cinco professores de grupos diferentes, com trabalhos de capoeira nas cidades de Peruíbe, Jundiaí, Curitiba e Vale do Ribeira.
Antes dos “Aulões” forma-se uma mesa-redonda, onde cada profissional conta sua história, como começou na capoeira, o que ela trouxe pra sua vida, despertando a curiosidade dos alunos, fazendo-os interagir e perguntar suas dúvidas sobre a arte capoeira!
Contudo, o “Encontro de Verão” é isso mesmo, um grande encontro de praticantes de capoeira, onde todos têm a oportunidade de mostrar seu ponto de vista sobre o esporte, terminando sempre com uma grande roda de capoeira, animada e com um enorme clima de paz de harmonia!
Também aproveitamos para fazer uma breve divulgação da cidade de Cananéia, oferecendo passeios turísticos, no caso uma volta de escuna para observação de golfinhos, e um breve “Tour” pelo centro histórico da cidade de Cananéia!

via Rede Cananéia

Colégio Rio Branco, de São Paulo , visita centro histórico de Iguape e Cananéia

Alunos do 7º ano das Unidades Higienópolis e Granja Vianna realizaram a viagem, acompanhados pelos professores Caio Mendes e Maria Thereza Lima, da Unidade Granja Vianna, Vanessa Sobrino e Alexandre Cardoso, da Unidade Higienópolis, pelos integrantes da Monitoria e dos Serviços Ampliados.
Dentro da programação, muita diversão e aprendizado, com visitas ao Parque Estadual da Ilha do Cardoso, que oferece uma oportunidade única de convívio com a diversidade biológica dos manguezais, e ao Núcleo Perequê do parque, onde os alunos conheceram vários ecossistemas diferentes – Mata Atlântica, Restinga, Praia e Costão Rochoso.
Os estudantes também percorreram o Canal de Cananéia em escunas, conheceram o centro histórico de Iguape e Cananéia, realizando um trabalho de História neste último, visitaram a Ilha Comprida e tiveram contato com moradores locais, artesãos e pescadores.

Livros para conhecer melhor o Vale do Ribeira – As Minas de Ouro e a formação das Capitanias do Sul

img001

“Em foco estão um tempo longo (1593-1830) , uma boa parte do Brasil à margem das políticas oficiais da Coroa Portuguesa e da economia de exportação vinculada à mão de obra africana, as Capitanias do Sul até muito recentemente consideradas pobres e periféricas, um vasto território relacionado à mineração, um sistema urbano que incluía metade dos núcleos do Brasil em fins do século XVII, a marginalidade historiográfica do objeto de estudo, a inédita metodologia de pesquisa. Nas linhas e entrelinhas de um discurso teórico profundo revelam-se camadas de tempos pregressos, até então inexplorados sob este ponto de vista .” Beatriz Piccolotto Siqueira Bueno , sobre a obra de Nestor Goulart Reis.

Leitura recomendada > Este livro faz parte do acervo da Casa do Patrimônio do Vale do Ribeira. 

Neste fim de semana tem o 1º FLI – Festival Literário de Iguape

Com o objetivo de promover o livro enquanto fonte de difusão cultural e estimular a produção literária da região do Vale do Ribeira, a Oficina Cultural Gerson de Abreu realiza, de 17 e 20 de outubro, o 1º Festival Literário de Iguape.

O evento conta com uma programação gratuita de workshops, palestras, feira de livros, contação de histórias, exposição e shows. Entre as atrações, a exposição Panorama Ibero-Americano da Publicação Independente, onde será possível conhecer um pouco da produção de quadrinhos do Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Cuba, Espanha, México, Portugal e Venezuela.

Com a palestra A curiosidade matou o gato. Mas o gato não tem sete vidas?, o jornalista Marcelo Duarte, criador da série “O Guia dos Curiosos”, falará da importância do estímulo à curiosidade e sobre como usá-la de modo criativo nos negócios.

Representando a literatura da região, estará presente o poeta Marcelo Plácido lançando seu livro Porém Efervescente, o escritor Oswaldo de Souza com seu Sete Contos Quase Verdadeiros, além de Nestor Rocha, com Do Brilho ao Opaco, entre outros autores.

Outro destaque da programação é o show de Marina de la Riva. A cantora interpretará canções do álbum Idílio (2012), que reúne sucessos de Vinicius de Moraes, Luiz Gonzaga e o cubano Frank Dominguez. A cantora Tiê também dará o ar da graça apresentando seu último álbum, A Coruja e o Coração (2011), que teve participação de Jorge Drexler, Marcelo Jeneci e Hélio Flanders.

E, em ocasião do centenário de Vinicius de Moraes, o Festival recebe o show História de Canções, idealizado por Wagner Homem. Acompanhado por músicos que executam as canções de autoria do poeta, o jornalista conta as histórias relacionadas à criação das composições.

Programação:

17 de outubro a 14 novembro
Exposição: Panorama Íbero-Americano da Publicação Independente
Curadoria: Douglas Utescher e Daniela Utescher

17 de outubro
16h – Contação de História: Histórias de reis e versos cantados
Com Ivy de Lima

18h – Workshop: Contação de histórias com objetos do cotidiano
Com Ivy de Lima

19h – Bate-papo: O papel do ficcionista como construtor de identidades sociais e sua responsabilidade histórica
Com Benedito Machado e Roberto Fortes

21h – Show: Histórias de Canções: Vinícius de Moraes
Com Wagner Homem

18 de outubro
9h – Contação de história: Conversa ribeirinha
Com Antonio Lara e Júlio Costa

11h – Palestra: A Formação do Escritor
Com Reynaldo Damazio

14h – Contação de História: Conversa ribeirinha
Com Antonio Lara e Júlio Costa

16h – Palestra: Uma viagem pelos gêneros literários
Com Ecilla Bezerra

18h – Contação de História: Conversa ribeirinha
Com Antonio Lara e Júlio Costa

20h – Palestra: Literatura não é entretenimento
Com Menalton Braff

21h30 – Show: Fulvio Oliveira & The Wild Blues Band

23h – Show: Tiê

19 de outubro
10h – Workshop: Histórias em Quadrinhos
Com Paulo Crumbim e Cris Eiko

13h – Workshop: Encadernação artesanal
Com Rodrigo Okuyama

17h – Palestra: Publicação Independente
Com Douglas Utescher

20h – Palestra: A curiosidade matou o gato. Mas o gato não tem sete vidas?
Com Marcelo Duarte

21h30 – Show: Packaw e a Nave

23h – Show: Marina de la Riva

20 de outubro
11h – Workshop: Criação e manipulação de bonecos de luva
Com Cia Articularte

16h – Teatro: O valente filho da burra
Com Cia Articularte

13h-16h – Lançamento de livros e tarde de autógrafos:

Ecologicamente Ilhamos e Geane
De Osvaldo Matsuda

Porém Efervescente
De Marcelo Plácido

A Trilha da Suçuarana
De Miguel Cassemiro

Sete Contos… Quase Verdadeiros
De Oswaldo de Souza

Confissões de um Pecador
De Rodrigo Ladeira

Do Brilho ao Opaco
De Nestor Rocha